Direitos dos autores reservados!

Tribunal Judicial desiste de julgar os arguidos da morte de Amurane

morte de mahamudo amurane
News

O Tribunal Judicial da Província de Nampula decidiu não levar a julgamento os dois arguidos do processo do assassinato do antigo edil Mahamudo Amurane. A juíza argumentou que o Ministério Público não apresentou provas bastantes para incriminar os indiciados.

Em despacho de seis páginas datado de 8 de Agosto corrente a que o “O País” teve acesso, a juíza Adelina Pereira Vaz, da 6ª Secção Criminal, decidiu não pronunciar os arguidos Saide Aly Abdulremane Abdala e Zainal Abdina Abdul Satar que foram constituídos arguidos pelo Ministério Público, por terem sido os últimos a estarem com Mahamudo Amurane no dia 4 de Outubro de 2017, data em que foi assassinado a tiros na sua residência pessoal na periferia da cidade de Nampula.

Na fundamentação da sua decisão, a juíza diz que a acusação não apresenta provas bastantes para incriminar os dois indivíduos e numa das passagens diz e passamos a citar:

“Na douta acusação deduzida pelo Ministério Público alega-se, entre outros factos, que os arguidos Saide Aly Abdulremane Abdala e Zainal Abdina Abdul Satar concertaram pôr termo à vida do malogrado, para o feito traçaram um plano que consistia em tirar o malogrado da casa oficial para um local onde pudesse ser fácil tirar-lhe a vida…o co-arguido Saide Aly Abdulremane Abdala, auxiliado pelo co-arguido Zainal Abdina Abdul Satar Daudo, efectuou disparos contra o malogrado…Os factos assim alegados, estão desacompanhados de elementos de prova (por confissão, testemunhal ou material) de terem sido eles os autores do crime”

Não tendo elementos objectivos, a juíza não teve outra opção e decidiu:
“… não os pronuncio, devendo os autos aguardar pela produção de melhor prova”.

Para este professor de Direito na Universidade Católica, o despacho do tribunal é normal em processos criminais e não significam o encerramento do caso.

Não deixe de ver:  Banco Comercial Português (BCP) entra também no caso das dívidas ocultas

À data dos factos, um dos dois homens ora despronunciados era vereador do Conselho Municipal e outro era empresário do ramo de construção civil.

 

 

Não deixe de ver:

Buscam-se culpados pela Morte de 2 cidadãos em circunstâncias estranhas no Zimpeto

Manuel de Araujo denúncia ameaças de morte

A morte da vareadora assinada, pode ser decifrada brevemente, já há pistas

 

Fonte: Opais

INTERMZ

Moçambique Interativo

Informação com Interatividade

 

 

Related posts

Zimbabwe: Revelada a causa da morte do ex-presidente Robert Mugabe

Daycon Frans

«O novo acordo de Paz não passa de uma propaganda política para enganar o povo» Helder Mendonça

Daycon Frans

Governo brasileiro rejeita ajuda de USD 20 milhões oferecida pelo G7 para Amazónia

Daycon Frans

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Está bem Ver Mais